Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Questão cultural
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Gigi

Carlos Alberto Mano Prieto - ( Gigi)

contato: carlosprieto@giginarede.com.br

   

Partilha do Bocado II - Tá no Sangue

   
Rio 2016

Tenho plena consciência de que a corrupção é um mal da humanidade desde os primórdios, como assim relata a sua própria história.

Outro dia, saboreando o vasto conhecimento cultural do meu amigo Giorgio, e eu de canudinho na sua sapiente jugular, falávamos sobre história quando ele me explicou que, durante o governo de Roma existiu um personagem que se denominava por “Sequestri – Sequestrus”, o qual, oficialmente, guardava como fiel depositário o fruto da negociata entre o corruptor e o corrupto, liberando a respectiva quantia assim que fosse definida a transação.

 

Redigi a primeira matéria logo em seguida ao acontecimento em que o Brasil, ou melhor, a cidade do Rio de Janeiro havia sido escolhida para sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e, já havia naquela ocasião externado minha preocupação quanto a manipulação de toda dinheirama para a sua realização.

O mais interessante é que até hoje milhares de observadores, curiosos, especialistas e toda crônica em geral, também se manifestaram a respeito demonstrando, de forma unânime, a mesma preocupação no controle dos gastos. Isto quer dizer que é um problema endêmico, está no sangue do nosso povo. Só falta cometer o absurdo de nomear o órgão controlador e fiscalizador de “Comitê de Seqüestro”.  Assim, pelo menos não haveríamos de nos preocupar já sabedores da existência de um over oficial.

Apenas para rememorar, o PAN 2007 orçado em R$ 300 milhões, acabou em R$ 1 bilhão e 200 milhões. Portanto, se imaginarmos um percentual de superfaturamento em torno de 15%, e como já foi estipulado previamente um gasto de R$ 30 bilhões...”é grana prá dedéu”.

Que façam bom proveito, e vamos que vamos...

Abraços do Gigi

Clique aqui para visualizar todas as crônicas
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009