Lista dos clubes amadores da Baixada Santista
 
 
Santos é tri da Libertadores  
Duelo entre Neymar e Messi  
Muricy mereceu o título  
Neymar faz história na Vila  
Neymar e Ganso até 2015  
Ver todas as notícias  
 
Renan Prates Renan Prates
Timão, na moral
 
Pepe

José Macia Pepe
Bombas de alegria

 

 
Ednilson Valia Ednilson Valia
Amor corintiano
 

Gustavo Grohmann

Gustavo Grohmann
Messi na Copa
 
global Coluna do Leitor
Homenagem ao Pelé
 
     
 
 
Ver todos os colaboradores
  Rubens de Almeida
 
  Rubens de Almeida Rubens de Almeida, o Rubinho, nasceu em Belo Horizonte em 29 de novembro de 1929. É casado com Maria de Lourdes com quem tem quatro filhos: Luiz Augusto, Rubens Junior, Ana Valéria e Luiz Roberto. Superou a perda de seu filho mais velho Luiz Augusto, com apenas 19 anos, através da doutrina kardecista. Sempre fez prevalecer um ditame com relação à profissão de sua filha Ana Valéria que é professora: “Uma vela que se consome para iluminar os outros”.
 

Rubinho praticou voleibol, sendo campeão mineiro pelo Atlético, o Galo, no final da década de 40. Certa vez, em uma partida amistosa seu time derrotou o timão do Santos Futebol Clube que tinha em suas linhas: Oscarzinho, Janca, Felipe, Paulo Gordo, Mena, Ribeirão, etc. Mas, foi no basquete onde se realizou, transformando-se  num excelente pivô.

Começou jogando no Palestra Itália, hoje Cruzeiro, transferindo-se posteriormente para o Atlético Mineiro. Mudou-se de Belo Horizonte para Santos, no início dos anos 50, para defender as cores do Santos F.C., ocasião em que foi morar na pensão do Molina, avô dos irmãos Waldir e Walter Demônio. Dividiu um quarto com Francisco Ferreira Aguiar, o Chico Formiga, que também havia chegado recentemente de Minas Gerais.
 
Nesta época, acabou reencontrando um velho conhecido do Atlético Mineiro que havia jogado no Botafogo do Rio de Janeiro, e estava sendo contratado pelo Santos F.C., o Carlyle Guimarães, que o fez relembrar de um ataque famoso do Galo formado com: Lucas, Lauro, Carlyle, Lero e Nívio. Afirmou ainda que o Carlyle foi o primeiro jogador a debochar de um time adversário sentando na bola, caso idêntico acontecido também em Santos com o nosso saudoso Vasconcelos, que sentou na bola em uma partida contra o Corinthians (pra variar!).

Assim que chegou a Santos, Rubinho empregou-se na Internacional de Transporte Ltda, que pertencia ao Grupo Jaffet, onde fez carreira chegando até ao cargo de tesoureiro.

Acabou fazendo parte do chamado dream time da época, do Santos F.Clube, ao lado de Lauro Soares (pai do Márcio Delfin, gerente comercial e de marketing do jornal A Tribuna de Santos), Oduvaldo Otaviani Bernis (Duda), os irmãos Márcio e Francisco Cunha, Gilberto de Moura Costa (Baiano), José Barbosa, Pedro Vicente da Fonseca ( Pecente) (este que  logo se transferiu para Piracicaba a pedido de seu amigo vicentino o Wlamir Marques), Noé Masch, Baeta da Costa (Baldonedo), Russo e Juarez, todos sob o comando de Ayerton José de Araújo, o Fumanchu.

Participou de vários Jogos Abertos do Interior fazendo parte da hegemonia que a cidade de Santos manteve por quase dez anos consecutivos na condição de campeã. Um verdadeiro colecionador de títulos.

Uma de suas glórias foi quando o treinador Kanela o convocou para a seleção brasileira que  disputou as Olimpíadas de 48, em Londres. Mas, como tinha apenas 17 anos de idade seu pai o proibiu de viajar.

Outro caso de satisfação pessoal foi quando jogou pela seleção de Santos e enfrentou o famoso time americano dos Globetrotters, no ginásio do Clube Internacional de Regatas. Foi ai que sentiu, pela primeira vez, o que é levar um chocolate. No entanto, lembrou que um de seus ídolos havia agradado e muito os gringos,  o Pecente.

Lembrou-me também de um fato interessante acontecido em um dos Jogos Abertos, sediado pela cidade de Jundiaí, no qual a seleção santista entrou na quadra e o público revoltado atirou centenas de peixes em sinal de protesto contra a atitude da seleção vicentina que, na estréia dos jogos, havia abandonado a quadra inconformada pela má arbitragem.

Contou-me ainda que certa vez jogando em Ribeirão Preto, na inauguração do ginásio Cava do Bosque, que tinha no apito o melhor árbitro do basquete nacional, o Renato Righeto, foram obrigados a aceitar a parcialidade do juiz pela tremenda pressão da torcida local.

Um fato que o decepcionou foi quando fez de tudo para que seu amigo Plutão, do Atlético Mineiro, viesse jogar também no Santos F. Clube. Infelizmente, como houve denúncia à Federação Paulista de Basquete de que  Plutão havia sido profissional,  este acabou por ser seu técnico. O mais triste foi que, logo no primeiro jogo, Plutão o deixou no banco de reservas sendo substituído por Telmo que no seu primeiro lance, por incrível que pareça, atordoado acabou por fazer uma cesta contra o seu próprio time. Pelo visto Rubinho era bom de mandinga.

Segundo ele, os melhores jogadores de basquete que viu jogar foram: Wlamir, Pecente, Angelim, Algodão e Paula Motta.

  Time de basquete do Santos F.Clube
 
 
Voltar
www.giginarede.com.br - Todos os direitos reservados © 2009